Saturday, August 31, 2013

A primeira Emilia - bogueira convidada Cirlei Kibon



Hoje o negócio vai ser complicado, por que a convidada ( que foi praticamente obrigada a escrever prá gente), é a minha mãe.
Eu posso contar um milhão de histórias dela, mas com essa pauta, só me resta dizer que ela gosta mais da Emilia do que de mim. Essa eu nunca pude pegar. Ela se esquece, mas só me deixou pegar o carro dela uma vez, quando trocou "uma dirigida"por uma noite com a Anita, que ainda era bebê.
Minha mãe nunca teve vergonha de subornar as pessoas. eu cresci sendo subornada...

Se você quiser saber os meus podres, ler o blog da mamae, o blog  é o  Amantikir

Com vcs, mama Kibon:


Tive muitos carros,geralmente fusquinhas,herdados de meu marido. Quando ele comprava outro pra ele,eu herdava "o velhinho"! Mas esses não contam!!! 
Emoção mesmo senti quando comprei minha primeira caminhonete FORD! Fui sózinha na Concessionária Sousa Ramos,em Campinas (essa concessionária nem existe mais),escolhi,comprei e no dia combinado,fui novamente sózinha buscá-la! 
O vendedor,muito atencioso, me explicou os comandos básicos dela,entrei,emocionada,para levá-la pra casa...eis que ele chega  ,sorrindo, com um buquê de rosas!!!Mais emocionada com a gentileza e atenção do 'vendedor' do que com a própria caminhonete,zerinho,prata,brilhando,com aquele cheirinho de plástico...fui,toda feliz,pra casa,mostrar a caminhonete pra marido que ficara em casa vendo tv! Ficara em casa,mas na verdade,
quem pagou a conta foi ele! E ele é assim mesmo,não gosta de aparecer,mas recebeu,a mim e 'a caminhonete,com um sorriso! Gostou? Linda mesmo!
Minha filha teve uma moto a quem chamou de EMILIA (não sei o motivo) ,mas eu,criativa que só,dei o mesmo nome pra minha linda caminhonete!!!E Emilia era o nome da minha bisavó materna,que nasceu no navio,vindo da Itália para o Brasil,mas essa já é outra história que ficará pra outro dia!
Ah como foi emocionante andar com a caminhonete pela primeira vez! Ela já tinha sido emplacada na concessionária,mesmo assim as pessoas me falavam:caminhonete nova,hein? E eu toda feliz,era só sorrisos!
Depois dela vieram outras caminhonetes,agora só da Chevrolet,que esperta, me deu um cartão de fidelidade e acaba dificil comprar outra marca,porque o desconto concedido é imbatível e,na verdade,me encaixo perfeitamente no perfil da empresa e na estrutura interna dela! Minha neta mais nova disse que :"não orna essa caminhonetona prá vc!" Orna sim,LIA!E tô muito feliz com ela hoje,mas jamais esquecerei o dia que fui buscar a EMILIA!!!

Thursday, August 29, 2013

Malditos Candies

(*PS - esse post foi invadido pela Sherazade Kibon enquanto ele ainda era apenas o título... o que mostra o desespero das pessoas viciadas em candies... não esperam nem a gente escrever o texto pra fuçar! hahaha)

É tudo culpa sua, suasua e de todas vocês que comentaram aqui!!!

Minha vida era calma e tranquila... Eu não precisava de um celular novo... Eu não usava mais o facebook, a não ser para falar com as loucas dessa Gaiola... Eu era dona da minha vida... Eu tinha tempo para conversar com as pessoas... Eu não tremia quando via um brigadeiro...

Mas a vida é assim. A gente olha as pessoas se afundando no vício mas a gente não se contenta em aprender com as tragédias dos outros. A gente tem que passar pelas nossas próprias! A gente pensa "Comigo não é assim... Eu posso parar a hora que eu quiser... Esse negócio de vício é besteira de gente fraca...".

Dai que um dia estava eu, inocentemente, trabalhando. Quando o estagiário é culpa dele também veio com o celular Sony Xperia dele pra me mostrar e perguntar se eu queria comprar. Eu não queria porque acabei de comprar o meu Samsung Y duos essa merda, mas como eu sou curiosa e adoro comprar coisa usada porque é mais barato e eu não gosto de gastar dinheiro eu pedi pra ver o celular.

Comecei a passar as telas pra lá e pra cá, quando de repente... CANDY CRUSH! Lembrei do post da Electra e pensei "vou abrir pra ver como é isso". E foi ai que tudo começou.

Foram cinco dias de sofrimento, roendo as unhas na parte da manhã porque o estagiário dono do celular só chegava de tarde. E quando ele aparecia na porta da sala, meus olhos brilhavam e meus dedos começavam a deslizar sobre a mesa, só esperando o momento em que ele tiraria o celular do bolso e me entregaria.

E eu fui descobrindo aos poucos, primeiro as balinhas no saquinho, depois os doces listrados e enfim a joia máxima: O BRIGADEIRO!!!


Mas dai de repente AS VIDAS ACABARAM!!!


E elas só voltavam depois de meia hora! MEIA HORA! ME-I-A-HO-RAAAA! Como eu ia viver esse tempo todo? Comecei a querer pagar por vidas... comecei a negociar o preço do celular com o menino... comecei a tentar convencer o Sr. Prefeito de que seria uma boa ideia trocar de celular...

E foi ai que eu percebi: PRECISO DE AJUDA!!!

E então eu briguei com todas as minhas forças contra o vício, tentei evitar o estagiário para não ter a tentação ali, tão perto de mim... e foi ai que aconteceu! Foi ai que eu consegui me ver livre das amarras desse maldito celular... e DESCOBRI QUE TEM CANDY CRUSH NO FACEBOOK!!!!

E hoje eu poderia estar roubando ou matando... mas não... como todas vocês, eu estou aqui pedindo mais uma vida pra conseguir sair da fase 33 inveja de quem travou na cento e quarenta e não sei quanto.

E foi assim que eu joguei, pela primeira vez, o candy crush.. e agora, nem regime mais eu consigo fazer!

E se não for pedir muito, manda uma vidinha lá pra mim, vai....

Wednesday, August 28, 2013

Pessoa misteriosa...

Viagem marcada...

Faco pedido para que o RH da usina pague adiantado o meu hotel. Depois de alguns dias a mulher do RH me liga revoltadinha.

Muie_do_ErreAgah - Bom dia, Ira, tem um problema na sua reserva de hotel.

Ira - pois não?

Muie_do_ErreAgah - O valor da reserva esta maior do que devia ser...

Ira - Não, esta tudo certo... Eh que eu peguei um quarto duplo alguns dias e quarto simples outros.

Muie_do_ErreAgah - e por que você fez isso? 

Ira - Porque durante alguns dias havera uma pessoa comigo, no quarto duplo.

Muie_do_ErreAgah - (suspiro de reprovação) ... Olha, eu nao quero saber quem eh o seu convidado misterioso, mas nao podemos pagar quarto pra ele. 

Ira - Não eh "ele"... Eh a minha mãe...

Muie_do_ErreAgah - ... 

Monday, August 26, 2013

AlergiaS

Eram quase oito da noite e estávamos todos na cozinha da zamiga no maior bate papo... toda juventude dourada - sqn devido ao inverno e ao fato que a maioria ali não é mesmo chegada ao sol - e a ala não tão jovem assim. Infelizmente Electra estava incluida na não tão... o tempo passa, o tempo voa. Sabe-se lá como surgiu o assunto - crises alérgicas - e cada um contando um caso seu ou de algum conhecido. Ainda não decidi se foi premonição ou profecia... putz! 
Zamiga e eu nos tocamos da hora e botamos a criançada pra correr: "Vam'bora povo que tá na hora de se arrumar pro baile!" Eram 4 povas e 3 povos pra tomar banho e se arrumar só na ala juvenil... fora a pré-senil. 
Tomei meu banho, chamei minha pova-baby pra tomar o dela... Comecei a me maquiar enquanto ela estava no chuveiro... Ela sai, ajudo a colocar o vestido. Volto a me maquiar e ela estanca na porta do banheiro. 
E eu... "Anda menina, vem pro espelho e começa a se arrumar, tá na hora, blá blá blá..." 
E ela... "Mamis, meu olho tá inchando, não estou me sentindo bem..."
E eu... "É brincadeira, né..."
Não. Não era brincadeira. Perdemos a festa e tomamos um baile acordados até as 4 da matina com ela tendo uma crise alérgica com grau de magnitude 7,2 na escala richter. Ainda não sabemos o que provocou essa crise. 
Faz parteeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee!

Sunday, August 25, 2013

Assalto da mãe




Se é pra apelar e contar de asslato com a participação materna, eu também to dentro!!
Minha mãe tinha um depósitod e água mineral num bairro meio barra pesada em Campinas.
Vira e mexe alguém entrava lá e fazia a limpa.
Quando ela viajava, era batata. Sabia que na volta ia ter surpresa. Uma vez, fizeram um buraco na parede lateral do deposito para facilitar o acesso. Pra que arrebentar portas e janelas, né?
Mas nada disso se compara á vez que os ladrões decidiram entrar no depósito enquanto ela estava lá:
- Dá o dinheiro. Dá o computador. Dá isso. Dá aquilo...
E todo mundo cooperando, por que ninguém é besta de discutir com ladrão, né?
- Dá o relógio.
- O relógio eu não posso!
O ladrão olha pra ela com a maior cara de interrogação, e ela continua:
- O relógio é da minha filha. Ela deixou na minha casa e eu to usando escondido. Esse, você vai me desculpar, mas eu não posso entregar. por que eu tenho mais medo dela do que de você. e do seu revolver.

E lá se foi o ladrão sem levar o meu relógio....

Saturday, August 24, 2013

De vento em pipa - convidada do coração





Eu poderia passar horas aqui, falando da minha querida Claudia Pacce. Tem um post sobre  
ela aqui .

Mas a Claudia é muito mais que uma linda história de amor. Ela é uma guerreira, uma 

mulher muito a frente do seu tempo e uma pessoa iluminada, que passa pela vida tocando 

a alma das pessoas que a conhecem.

Libertária e um pouco anarquista, ela é das artes, da beleza e dos intelectuais.

Claudia vê vida em tudo. Vê amor em todo mundo. E como ri gostoso a minha amiga...




Todo mundo precisava ter uma Claudia na vida. Que bom que eu tenho!!!!

Autora de vários livros, escritora de sucesso, o negócio dela ainda é majoritariamente a 

mídia impressa, mas recentemente ela aderiu á blogsfera e resolveu nos presentear com 

seus escritos deliciosos. Vai lá no Causos e Versos da Claudia dar uma bisbilhotada!


PS II - Post perfeito, já que aqui nessa familia somos pontepretanos há varias gerações!!
Jamais me passou pela antecâmara do cérebro falar sobre futebol. 

Em jogo de copa, torço, apito, estouro pipoca, agito bandeira na rua, como todo brasileiro.

Entendo xongas, esporte na TV é situação ideal pra minha imaginação voar feito pipa. 

Como contar o que nem sei inventar?

Engano. A memória olfativa exige pipoca e gira nos calcanhares do tempo: em Campinas, 

Guarani x Vasco, acho que num jogo decisivo rumo à “Copa do Mundo”.
A torcida bugrina algazarrando a vitória, eu estreando em jogo de futebol ao vivo.
Pontepretanos e Vascaínos unidos em vaias e cores, como olho de suçuarana espreitando a 

caça na verde mata guarani.
Sem mais, uma grande pipa preta-e-branca surgiu no céuazul de Campinas. Guiada pela 

astúcia do empinador rival e pelo vento a favor, a dita embandeirou-se sobre atorcida 

bugrina. Pra quê! Braços erguidos em fúria, xingavama mãe da pipa, do empinador, do 

pipoqueiro, do gandula, do
bandeirinha, às vezes com hilária criatividade. 

Deliciada, me abstraí completamente do jogo que devia estar rolando acelerado.
O OVI (Objeto Voador Identificado) serpenteava feliz nas mãos do vento, exibindo o longo 

rabo desvairado, como num deboche à torcida caseira.
Insultos fellinianos progrediam implacáveis, bem como o pas de deux de vento e pipa.
Convidada ao camarote do grande amigo Pedro Brasil, bugrino de carteirinha, eu 

observava o gracioso pivô aéreo.

Os bugrinos, um olho na bola outro na pipa, bradavam gloriosos fdps ao O.V.I. (objeto 

voador identificado), dando trégua à mãe do juiz etc.
Fim do primeiro tempo.
Alguém, sem cão pra chutar, acertou uma bombinha no gandula. Quem não conseguiu ir 

ao banheiro usou copinhos descartáveis. Vendedores surfavam sobre o mar de sedentos 

torcedores. Conhecidos cumprimentavam aos gritos como não se encontrassem há anos. 

Um grandão, já de jugular inflada, discutia sobre a pelada com um anão estrábico que de 

qdo em qdo cuspia de lado. Bom mesmo era a união em torno do desafio, a alegria a cada  

passe bonito seguido da vibração.
Segundo tempo, numa das raras espiadelas no jogo, vi a bola entrar numa das redes e feliz 

da vida berrei...
GOOOOOOOOOOOOOLLL!!! GOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOLLL!!!
Só depois percebi que tinha comemorado sozinha bem no meio da torcida Guarany. Na 

sequência, um copo de xixi passou voando e esborrachou-se no chão do camarote. E, na 

carona tb vieram latas de cerveja, refrigerante e afins. Foi tudo tão louco, que nos 

agachamos pra poder ficar ali, no mínimo por prudência.
Imagino que Pedro teve idéias macabras sobre meu comportamento esportivo, mas, como 

cavalheiro que sempre foi, apenas engoliu uma pírula de maracujina. Depois, me ajudou a 

escapar ilesa, antes que o jogo acabasse. Quando caminhava, trêmula, rumo à saída, tive 

um ataque de riso nervoso. Os seguranças ameaçaram-me com
algemas, caso eu não calasse a boca. E tudo isso, só porque comemorei um gol contra...




* Ponte Preta e Guarani são times arqui inimigos em Campinas.

Se eu conheço a rivalidade futebolística na minha cidade, garanto que a Claudia nunca mais 

foi convidada ao camarote bugrino, mas deve ter ganho medalha de honra ao mérito do 

time pontepretano!

Friday, August 23, 2013

Voe com a física

Esse foi o nome do curso que fez com que eu saísse de casa para Brasília sozinha, sem um dos meus pais, pela primeira vez, aos 15 anos.

Talvez pareça até ridículo pensar nisso, mas aos 15 anos eu nunca tinha pegado um ônibus sozinha, acho que nem mesmo um circular dentro da cidade. Eu fazia sozinha coisas muito mais perigosas que essa, como ir à escola, que ficava num bairro super violento e afastado da civilização, e ficar na escola, que eu acho que era muito mais perigoso que o caminho. Mas nunca tinha ido sem meus pais à Brasília.
Pois bem. Um belo dia, o professor de física entrou na sala com um papel azul na mão, onde se liam propostas de cursos de física, química e biologia gratuitos oferecidos pela Unb para alunos do ensino médio.

Escolhi um curso que prometia ensinar porque os aviões voavam, porque os pássaros voavam, porque o superman voava, como faziam pra voar.


O curso seria ministrado em 2 sábados durante a tarde. Eu, que nunca tinha saído sem meus pais, vi ali não uma só uma oportunidade de aprendizado, mas também de diversão.

Pedi permissão pro meu pai - que milagrosamente a deu - e chamei todas as minhas duas amigas para fazerem o curso comigo, mas só uma se interessou. Ligamos, nos inscrevemos e eu passei o resto do tempo todo planejando que roupa eu ia usar, e sonhando com a hora em que eu finalmente iria sair sozinha pra ir à Brasília com minha amiga.

E finalmente chegou o tão esperado sábado! Meu pai me deu R$ 20,00 e foi  me deixar na parada, onde encontramos minha amiga aos beijos com o namorado dela. (Isso nem era pra fazer parte da história, mas me lembrei que isso rendeu meses de encheção de saco do meu pai, que achava que eu não devia andar com meninas que beijavam, ou eu logo estaria assim:


O ônibus chegou - LOTADO! - e lá fomos nós duas. Perdemos a parada onde devíamos descer, descemos na próxima e... ficamos perdidas! Nós simplesmente nunca tínhamos andado em BSB sozinhas, então não fazíamos ideia de pra onde tínhamos que ir. Sorte que o curso começava às 13h e ainda eram 11h.

O plano era simples: perguntar onde ficava a Unb pra alguém que estivesse passando e seguir a direção informada. Só que a gente não se contentou em continuar andando quando o caminho indicado pelo lobo mau primeiro desconhecido não nos fez chegar rapidamente ao nosso objetivo. Daí perguntamos pra outra pessoa, que nos indicou a direção contrária à que estávamos indo. Meia volta. Mais um tempão andando, nada. Perguntamos de novo, "é pra lá", fomos andando, "é pra cá", "é pra ali", "é pra acolá!".

Resultado: chegamos na Unb 12h45, mortinhas da silva.

Não sei dizer como foi o curso na época, mas não me perguntem como ou por que os aviões voam, pois eu não sei! Mas eu sei porque o super homem voa:


Thursday, August 22, 2013

Mamãe X Ladrão

Aproveitando a onda de histórias de assaltos da Sherazade Kibon, eu me inspirei (e lembrei) de um ocorrido com mamãe.

Faz muito tempo que não moro na casa da minha mãe, por isso eu só ficava sabendo das histórias por telefone.

Isso aconteceu tem alguns anos. Mamãe ficando mais velha, fica cada vez com menos paciência. E aguentar isso não é só privilégio meu.

Mamãe trabalhou a vida toda na casa de uma família ali perto do Morumbi. Começou como babá e com o tempo as crianças cresceram (hoje todo mundo já tem suas famílias e filhos) e ela foi ficando por lá como doméstica.

E ela sempre foi brava. Hoje em dia tá melhorzinha, mas ainda é bocuda quando pisam no calo dela.

Mamãe, no auge dos seus 50 anos, já a beira da aposentadoria, estava lá limpando a casa quando escutou o alarme de um dos carros da casa. Lógico que ela foi olhar o que estava quebrando o silêncio que ela tanto gostava.

Quando olhou pela janela viu que tinha alguém mexendo no carro. A criatura não pensou duas vezes, abriu a porta da casa e começou a gritar com o cidadão (que tinha a metade superior do corpo enfiada dentro do carro, pela janela, ficando só a bunda e as pernas pra fora):

- Ô!!! o que você tá fazendo ai??? Pára com isso!!!! O que você tá fazendo????

Enquanto isso a outra senhora que trabalhava na casa dizia:

- Maria, sai dai! Você tá doida!

E mamãe continuava:

- Sai dai!!! Que que você tá fazendo????

A patroa dela apareceu e falou:

- Maria, fecha a porta! Vem pra dentro!

E mamãe não cansava:

- Pára com isso!!!! EEEEiiiii!!! O que você tá fazendo???

Dai acho que o saco do ladrão encheu, porque ele tirou o corpo de dentro do carro, virou pra ela e falou:

- TO ROUBANDO, CARALHO!!!

Pegou o rádio e foi embora.

E mamãe ficou brava! Porque né, que ladrão mais mal educado!


Tuesday, August 20, 2013

A Ira ta irada!

A pessoa jura que veio trabalhar... Mas não leu/respondeu nenhum dos meus e-mails. Fui a sala dele trocentas vezes e ele não estava la, não tinha mala, bolsa, casaco, nada que indicasse que alguém estivesse por la. 

Entao pedi para os meninos super inteligentes da computacao para descobrirem se ele tinha "logado" em seu computador... E voila! Nadinha..

Entao... A Ira passou aqui apenas para dizer que cabecas vao rolar... Que eu eu muito puta, porque se tem uma coisa que me tira do serio eh alguem que mente pra mim...

Eh isso...

Vai ter sangue. 

Monday, August 19, 2013

Visto 1, 2 e 3!!!


O primeiro visto americano... fiz lá em 1997, na Embaixada em Brasília. Era uma coisa complicada, cheia de noves horas e você precisava levar quilos de documentos que provassem quem-onde-como-porque e pra quê você queria passear nos States. Sem falar que era preciso provar que você tinha vínculo com sua terra natal e não pretendia se tornar um "imigrante ilegal". Daí dale apresentar comprovação de renda e bens, vículo empregatício, passagem comprada, hotel reservado, tudo com antecedência (e sem garantia de ter o visto aprovado) e cia ilimitada, só faltavam pedir sua carteira de vacinação infantil.  Fui com CB e ele se virou na entrevista... já que seu english é fluente e o meu... bem, o meu é de turista. O lado bom é que naquele tempo o visto era de 10 anos. Hora de fila, horas de espera, e pra todo lado gente contando horrores sobre ter o visto negado, perder o dinheiro da viagem já toda comprada. Enfim, a sensação era de estar brincando de roleta russa. Quando enfim o visto foi aprovado, a gente se sente tão bem que parece ser até mais "gente", pertencente àquela classe privilegiada que... tem visto pra visitar a terra dos gringos, uau!. Muitos suspiros depois pegamos o vôo pra New York. Eu, gravidíssima, vomitei todaaaaaaaaaaaaaa a descida do avião. Zero glamour. 
Sou fabulosa, tenho visto americano. Você não tem-ein!
O segundo visto americano, foi feito em 2007, dessa vez no consulado em São Paulo. Lembro de ter me sentido um tipo de lixo humano, pois o pessoal ali foi meio totalmente tosco durante do atendimento. Visto feito em família novamente, que dessa vez incluía além do CB, duas bonequinhas. Novamente ele que se virou nos trinta durante a entrevista. Péssimas lembranças da atendente... chata, irritada, desconfiada (tpm?) e quase mal educada de tãooooooooooooooooooooooo ríspida. Uma grossa, #prontofalei. Visto aprovado, aleluia!, fomos todos conhecer a Disney. Pena que esse teve validade de apenas 5 anos... eh, chateação.
Hoje de manhã fui na entrevista pessoal solicitar meu terceiro visto (por isso esse post não saiu na bat hora de sempre). 


O procedimento mudou bastante. Primeiro fui no tal do CASV onde tiraram foto e digitais, na segunda feira passada. Com essa parte ok, fui na Embaixada fazer a entrevista, com hora marcada, sem stress. Quanta diferença! Não sei se dei sorte (sim, faz parte...) mas achei que o "clima" está bem mais light. Fui praticamente sem lenço nem documento dessa vez e com um medinho lá no fundo de dar tudo errado. Pensando bem, tinha tudo pra não ser aprovada. Mas peguei uma atendente que além de falar português muito bem, era just peace & love. Vontade de dar um beijinhos nela de tão agradecida... pena que o vidro de mil milímetros nos separava, rs. Engraçado isso de como a gente se sente "agradecida" só por reconhecerem que somos do bem (I'm not a terrorist) e pelo direito de ir turistar a gastar $$$$$ na terra do Tio Sam. Aff. Devia ser o contrário, mas a coisa funciona de tal modo que no fim, somos nós que dizemos: thank you!


A senhora trabalha?
Não! (mandei na lata)
Onde a senhora vai?
Wash-DC
Fazer o quê?
Jantar com o Obama  e negociar a compra de mísseis nucleares (brincadeirinha, kkkkkkkkkkk)
Passear. E acompanhar o maridón, ele vai trabalhar e eu vou turistar.
Quando?
Segunda semana de setembro, acho que a reunião dele é dia 17.
Passagem e hotel?
Não comprei e não reservei ainda, depende do trabalho dele, ainda não sei que dia vamos.
(até esse ponto... eu mesma já estava me negando o visto, se fosse ela, rs)
A senhora já teve visto?
Sim dois, nos anos tais e tais. Visitei alho e bugalho.
Tem o passaporte e o visto anterior?
Não, venceram e quando renovei meu passaporte, o antigo ficou retido na PF.
Quanto tempo a senhora pretende ficar?
Ah... no máximo uns 10 dias, acho. Talvez 15, não sei.
A senhora costuma ficar pouco tempo?
Sim, da primeira vez fiquei X, na segunda Y, na terceira W e assim por diante, no máximo 20 dias.
(muito papo, pouco documento e eu rezando pra ela acreditar na minha cara de santa)
O que o seu maridón vai fazer lá? Já tirou o visto dele? Porque não estão fazendo o processo juntos?
Ah, ele vai a serviço, passaporte oficial, o procedimento é outro. Nem sei como funciona, o pessoal lá no trabalho dele que está cuidando disso. (acredita em mim, pleaseeeeeeeeeeee)
Daí, num momento de inspiração, fiat lux, dei minha única e última cartada... olha aqui, ó, o cartão e documento de identidade dele, se quiser ligar pra lá e confirmar.... disse, sorrindo quase tranquila e quase confiante.
Ela ficou brincando no computador por alguns segundos (que pareceram horas...) e finalmente disse, tudo ok, história confirmada, tudo bate. Seu visto está aprovado, pode buscar daqui a 10 dias.
Caraca! Jura que fui aprovada (ehhhhhhhhh!!! mentalmente a gente faz a dancinha da chuva de tão feliz)?!? Assim, na boa? Só no papo? Foram meus olhos azuis? Ou minha cara de "estou ferrada, mas sou gente boa"? Claro que não... Fui aprovada porque se tem algo em que podemos confiar é na competência e organização dos americanos. Todo meu curriculum de turista nota 10 deve estar lá nos computadores deles... tim tim por tim tim.
Deus abençoe a eficiência do serviço de informações americano.
Be happy. I have a VISA!

America, tô chegando, again! 
Serão dias e dias radiantemente enfurnada dentro do complexo Smithsonian. 
Love it!


Sunday, August 18, 2013

O primeiro assalto...e os consecutivos



O primeiro...

Eu estava indo tomar sorvete com uma amiga, quando chegou um cara, com alguma coisa embaixo da camisa e disse:
- Eu tenho um revolver.
Como eu não entendi o objetivo daquilo, só respondi:
- Por que você está me contando isso?
- Por que isso é um assalto!!
Por que esse povo não explica as coisas direito?

O segundo...

Esse foi brabo. Três caras armados com automaticas entraram numa festa na casa da minha sogra - eramos 30 convidados ao todo, 

* Eles entram encapuzados e eu rio! Oba! Igualzinho os filmes americanos...
- Inaie, não ri que o negócio é sério...explica meu cunhado.

* O ladrão começa a querer o cofre, o dinheiro, as jóias.
Meu sogro explica que não tem nada disso na casa.
A gritaria aumenta, e os ladrões começam a dizer que vão atirar... quando um deles abre a carteira do meu cunhado e acha R$200.00 ( 14 anos atrás). O negócio fica preto!
- Eu vou te matar, você disse que não tem dinheiro aqui!!
- Pensei que vc tivesse falando em dinheiro de verdade, não essa mixaria... 
Isso, vai lá...ofende os ladrões que eles gostam!

* No meio daquela gritaria, dá o dinheiro, não dá o dinheiro, eu mato, eu esfolo... minha sogra fica nervosa e com medo que os assaltantes atirem em um dos filhos dela.
O assaltante mais himano explica:
- Dona, nóis é ladrão, nóis num é assassino.
Ufa, que alivio, né?

* Aquele forrobodó, automaticas apontadas pra nossas cabeças.
- Todo mundo senta no chão. A senhora aí (eu) pode ficar na cedira que a senhora tá com criança de colo.
( eu estava amamentando a Lia, que tinha 6 meses)

* Sentada confortavelmente na cadeira com a Lia no colo e o Fabio sentando no chão, encostado nas minha spernas, parto para a ultima tentativa de juntar a minha familia. Anita estava no colo de um dos meus cunhados, coincidentemente o que estava numa discussão cerrada com um dos ladrões.
- oi, eu quero a minha filha aqui.
- cala a boca e fica ai
levantei, sem pensar muito no que eu tava fazendo e dei de louca, berrando que eu queria a minha filha.
O ladrão achou melhor entregar a criança, pra eu calar a boca.
Graças a Deus que ele já tinha explicado que não eram assassinos, né?

* Assalto em pleno vapor, Tio Marcão ( tio do Fabio)
- Eu posso lhes oferecer alguma coisa para comer? Um salgadinho? Um canapé? Um vinho talvez?
Educação antes de tudo né?
Os ladrões recusaram, mas quando essa mesma conversa se repetiu com a chegada da policia, os meganhas se deliciaram com a mesa de comes e bebes... enquanto os ladrões fugiam em disparada.

* - Me dá o dinheiro! Me dá o dinheiro!
- Não tem dinheiro nenhum...
- Numa casa dessas? mentira!
- É que aqui é todo mundo falido, seu ladrão.
- INAIE, também não é assim, né??

A terceira vez

- Sai do carro, sai do carro!
- OK moço, mas deixa pelo menos eu pegar a minha bolsa?
Ja estava tão acostumada com a dinamica da coisa que até negociei com o assaltante. Ele ficou com o carro, eu com a bolsa.

A ultima vez

Eu estava na Australia, recem chegada.
Um cara bate no vidro do meu carro e eu desço o vidro com calma.
Como fui devidamente treinada para me comportar nessas situações, eu fui avisando tudo o que eu estava fazendo, para o assaltante não se assustar e me matar por acidente
- Eu estou desligando o carro / Vou tirar a chave do contato/
Estendo a mão com a chave pro fulano e começo a avisar que vou abrir a porta ( pra descer), quando sou bruscamente interrompida:
- Olha, o seu porta malas está aberto. Você quer que eu feche pra você?
Ops, não era um assalto.... que papelão!










Saturday, August 17, 2013

Meu menino não! - Blogueira convidada Edmari



A minha convidada de hoje é uma pessoa barbara. Sensivel, mãezona, sempre disposta a por a mão na massa e ajudar a filharada, ela tem um "quê" por panos de pratos.
Para conhecer essa pessoa querida, dá uma espiadinha no Pra onde eu vou?
Abaixo, ela conta um momento único da vida dela. Não ria - você pode ser a próxima...

Pois é, o" meu menino" já morou fora de casa duas vezes, e nas duas quase me matei montando e desmontando apartamento. É que ele não aguenta ficar muito tempo fora de casa (ou longe de mim), então, quando na semana passada veio falar sobre uma proposta de trabalho em Curitiba, logo falei : 
- Não conte comigo para montar apartamento, você está por sua conta desta vez.
O lindo foi mais além, disse que queria ver o saldo da conta bancária e o extrato do cartão de crédito. Então nosso menino,depois de ter sido atropelado por esses comentários na frente da namorada, muito calma e educadamente nos disse :
- Se eu decidir ir, eu irei.
No sábado eu já tinha esquecido o ocorrido e estava cozinhando para o jantar, quando o " meu menino" ficou rondando a cozinha e puxando papo. 
- Quando é que vai ser as Bodas de Ouro do vô e da vó mesmo ??
- Dia 14 de setembro, já te avisei e avisei a Fran.
- Hum, então eu vou, mas por consideração a você, porque não vejo muito sentido nessas coisas, nem convivo tanto assim com eles.
- Obrigado filho,agradeço sua consideração.
- Ó,  mais ao jantar de hoje eu não venho.
- Como não, te avisei já na quarta.
Aí é que o bicho pegou, a resposta que ele me deu foi:
- É que hoje a noite vou na casa da Fran, conversar com a mãe dela sobre a mudança para Curitiba
Com a boca seca eu pergunto :
- Por que ???
- Porque a Fran está procurando um emprego lá também.
O meu coração dispara, a boca fica mais seca ainda e creio que meus olhos tão pequenos, devem ter dobrado de tamanho. Engulo em seco e pergunto :
- Você está me dizendo que vocês vão morar juntos ????
- Sim.
Ele conversou com vocês sobre o assunto antes de tomar essa decisão ?? Comigo que sou a mãe, também não. Então continuo a conversa :
- Meu filho, isso é muito sério. Você não pode tirar essa menina da casa dela assim.
- Assim como ?? Não preciso te explicar que nos dias de hoje é assim que as coisas acontecem, a gente mora junto.
E eu bem idiota : 
- Sem casar ????
- Se tudo der certo, pretendemos casar um dia. 
Jesus me socorra que estou infartando! É a primeira vez que "meu menino" fala em casar. 
Ele então me pergunta o que estou cozinhando e vai para a sala, assim bem tranquilo, esperar a comida ficar pronta.
Desligo as panelas e vou atrás, falando: 
- Filho, precisamos conversar mais sobre isso, isso é muito sério.
Olho para o lindo que está assistindo a competição de natação e pergunto:
- Você ouviu o que ele falou ??
- Espera só um pouquinho, que já está acabando.
Aí eu viro bicho e digo: 
- Desliga essa porcaria dessa televisão que a coisa é muito séria.
Lindo me olhou bem irritado, porém percebeu que a coisa ia ficar bem pior, caso insistisse na televisão e disse :
- Ele já conversou comigo e eu pedi para ele pensar bem e levar em consideração tudo que diz respeito a Fran.
- Não tenho nada contra a Fran, gosto dela e espero que eles se casem um dia, só acho que ele não está preparado para assumir esse tipo de compromisso agora. Morar junto é casar, independente de assinar um papel ou não. E quando não dá certo as pessoas sofrem muito.Não acho que ele esteja preparado para assumir esse tipo de compromisso. 
Aí o lindo se encheu de coragem e empáfia e me disse:
- Ele já é um homem de 26 anos (pra mim, vai ser sempre um menino)nós não podemos interferir nas suas decisões ( tá querendo ficar comigo só pra ti, né nojento???) Já combinamos que ela só vai quando arrumar um emprego, nada vai ser feito na louca.
Como nada vai ser feito na louca?? Já decidiram tudo na louca, o esquema todo foi armado,com a benção do pai e a ignorância da mãe.
 Ah... eu poderia ter matado o Lindo com toda crueldade possível naquele momento. Mas não posso, tenho que agir com calma, afinal sou só a mãe. Daí para frente não lembro mais o que falei, fiquei em choque. 
Voltei pra cozinha e pras panelas, que teria 10 pessoas para o jantar e o mundo não pode parar porque o "meu menino" quer crescer e sei bem quando tirar meu time de campo. 
Hoje depois de passado o susto, ele me manda um email dizendo que já achou apartamento e que precisa de ajuda para alugá-lo. Então sábado iremos todos a Curitiba para ajudá-lo no que for preciso.
 Sabe aquela bolsa da Louis Vuitton que eu ia comprar em Paris, "não vai maix te", vai virar enxoval do "meu menino".

Friday, August 16, 2013

O primeiro blog que eu li

Lá pra 2010, eu estava me fazendo de coitadinha fingindo que estava triste por ter terminado com o cara mais babaca que já conheci.
Então pesquisei no google "como curar um coração partido", e entre os resultados apareceu um post chamado "5 etapas para curar um coração partido".
Eu entrei para ler e foi a primeira vez que li um blog na vida. Eu li o blog todinho! Todo dia eu parava um tempo e lia lia lia! Gostei muito do blog.
Eu tinha twitter naquela época, e passei a seguir a Renata, e ela era bem legal.
Mas eu nunca comentei no blog dela,  porque eu ainda não tinha nenhum seguidor no blog e não queria que ela pensasse que eu estava comentando pra ela passar a me seguir.
Resultado: sempre fui uma leitora anônima do antigo "Loucuras da cabeça de um biscoito".
Mas foi lendo o blog dela que senti vontade de alimentar o meu, e comecei a escrever minhas coisinhas ali...

Daí, quando me convidaram contrataram aqui na Gaiola, eu quis convidar a Renata para escrever num dos sábados gaiolais, mas, como ela nunca tinha me visto na vida de blog dela, acho que ficou com medo da minha história de "sempre te segui em silêncio" e não aceitou!

É uma pena, já que acho que ela teria ótimas histórias pra contar.

De todo jeito, recomendo a vocês o Biscoitices, é muito bom! E se alguma das loucas daqui conseguir convencê-la a escrever num sábado, a estagiária e o público agradecerão!!!

Thursday, August 15, 2013

O primeiro aumento

(post escrito na noite da véspera da publicação, quase que não sai... por favor ignorem os erros... to indo ali e já volto.. Zzzzzz)

Vou voltar no tempo um pouquinho pra vocês entenderem o que aconteceu... em 2011 cheguei aqui em Aracajivix e arrumei emprego em uma construtora. Eu nunca tinha trabalhado em empresa grande, só em escritórios pequenos. E dai que eu não sabia bem como funcionavam as coisas.

Dai que chegou 2012 e as pessoas começaram com aquele buxixo todo a respeito de aumento: "quando que vai sair o aumento?", "de quanto vai ser o aumento?"... E sempre tem aquele grupinho que sabe de mais coisas do que os demais, que ficam cochichando escondido... E sempre tem aqueles mais chatos que ficam falando "se eu ganhar menos do que fulano eu vou pedir as contas!", "onde já se viu fulano ganhar tudo isso???".

Pausa pra reclamar de gente chata: Eu juro que não entendo porque a pessoa precisa desmerecer um terceiro para poder justificar o próprio salário, tipo assim: "Aquele cicrano não sabe fazer as coisas e ganha mais do que eu! Meu salário PRE-CI-SA ser maior do que o dele". Porque a pessoa simplesmente não fala "Eu consegui fazer isso e mais isso de bom pra empresa, por isso meu salário deveria ser maior". Enfim... coisas que me fazem perder a paciência. Fechamento da pausa.

Voltando... Dai que quando chegou essa época de aumento eu ainda não tinha feito um ano de empresa, portanto eu não estava esperando receber aumento nenhum. Fora que eu não estava em crise com o meu salário porque entrei na empresa ganhando mais do que eu esperava ganhar por aqui.

O tal aumento saiu (uns quatro meses atrasado, sem retroativo) e eu recebi 2,5% a mais. OK. Sem muitos problemas. A galera (porque todo mundo sabe quanto todo mundo ganha por aqui) ficou tirando onda da minha cara, falando que eu ia ficar rica com tudo isso a mais no meu salário. Eu entrei na onda porque gosto de bagunça, mas no fundo eu nem tava ligando.

Dai que chegou 2013 e chegou a época do aumento de novo. E todo mundo ouriçado novamente. Dessa vez eu estava um pouco preocupada porque meus gastos aumentaram e eu estava começando a ficar um pouco apertada. E dessa vez, se viesse os tais 2,5% de novo eu realmente ia ficar descontente.

Por uma coincidência do destino, eu fiz amizade com uma pessoa do RH da empresa. E essa amizade começou porque ela tem o mesmo nome que eu, e todo mundo mandava e-mail errado pra ela, achando que ela era eu. Ela sempre me encaminhava os e-mails e acabamos ficando próximas.

Então, em uma sexta feira a noite, estava eu, jogada no meu sofá, como de costume e a amiga me manda um whats app "o aumento saiu". Dai o coração gelou! O estômago embrulhou! E os olhos saltaram! Respondi: "quanto veio o meu?" e a bonitona ficou fazendo suspense. Ela me perguntou quanto eu achei que viria. Eu falei que achei que rolava uns 8% e ela falou "tá sentada?", dai nessa hora eu desanimei... pensei "ó eu morrendo nos 2,5% de novo..." e ela me falou "foi 21,9%"....... AAAAAEEEEEEEE!!!!!!!!!!! Eu juro que achei que ela tava mentindo, e se ela estivesse mesmo eu ia arrancar a cabeça dela, mas era verdade!

To meio diferente porque não deu tempo de depilar o buço, mas sou eu mesma!

Foi o maior aumento que eu tive na minha vida. E foi sem nem eu ter precisado pedir!

E o melhor de tudo é que foi umas duas semanas depois de eu ter lavado a alma, dando chilique com o chefe (se tiver saco, leia aqui)...hehehehehehe

Wednesday, August 14, 2013

Capricho

Outro dia uma menina tentou entrar numa balada de Sao Paulo sem pagar dizendo que era "blogueira da Capricho". Além da historia em si ser bem engraçada, a pobre da garota virou motivo de chacota por ser da "Capricho", ja que todo mundo achava que a revista nem existia mais.

Eu nunca li essa revista... Mas conheci um garoto que foi capa...

E como eu descobri que ele tinha sido capa? Porque todo o universo ao meu redor sabia, pois aparentemente, em São Paulo dos anos 90 todas as meninas liam a tal revista. Afinal, ali existiam dicas valiosíssimas de como chamar a atenção do "gato" da vez com uma maquiagem de arrasar (bla, bla, bla wiskas sache).

Bom... O tal garoto tinha sido capa, sabe-se la porque e todas as mocinhas estavam enlouquecidas por causa dele. E eu? Eu nem lia a revista, mas comecei a conversar com o garoto porque ele tinha um CD de canto gregoriano. Que tipo de garoto ouve canto gregoriano com 15 anos?

Eu nunca soube a resposta, porque a tietagem em cima dele foi tanta que a conversa ficava sendo interrompida a toda hora.

Sera que eu consigo entrar numa balada famosa dizendo pra "host" que eu ja conheci um capa da Capricho? Certeza, ne?


Monday, August 12, 2013

O primeiro porre dela

Foi no primeiro dia dos pais do Coelho Branco (parabéns para todos os papis pelo dia de ontem). Restaurante antigo, português, tradicional... lá pras bandas de Copacabana. Local conhecido, dono do restaurante conhecido e simpático, um portuga original de fábrica. E a gente lá, toda prosa com nosso primeira rebenta, com apenas dois meses de vida.
Muito bacalhau depois, na hora de fechar a conta, vem o portuga todo gentil... trazendo um cálice de vinho do Porto, que ele sabe que adorooooooooooooooo. Digo que não posso beber, que estou amamentando, blá blá blá. Ele ri, diz que não faz mal algum e insiste. Como dizer não? Tomei enquanto amamentava (de verdade, em pleno restaurante... nunca tive essas neuras de vergonha em amamentar em público) dois cálices.
Voltamos pra casa dos sogros pra aproveitar o resto do domingão. A bebê dormia o sono dos anjos. E continuou dormindo e dormindo. E dormindo! A questão era que ela nunca dormia mais do que duas horas seguidas, era um reloginho-bomba que ativava precisamente a cada duas horas. Ficamos entre preocupados e felizes achando que ufa, ela iria começar a dormir mais... Aleluia!
Ela dormiu por duas, três, quatro, cinco horas seguidas. A essa altura já estávamos prá lá de preocupados. Acordou enfim. Acordou molinha... Peguei ela no colo e eis que sinto o bafinho... de vinho do Porto! Sem brincadeira, ela estava com bafo de leite com vinho português do bom, rs.
Dois meses de idade... e o primeiro porre! Juro que é verdade verdadeira. Apesar de incrível.


Electra mãe de primeira viagem, essa irresponsável.
(Sim, me sinto a própria versão feminina do Pantaleão (Chico Anysio) que no fim de cada causo pergunta pra esposa: "É mentira, Terta???" quando conto essa história...)


Sunday, August 11, 2013

Pesquisa científica


Essa foro é do Jõao, que como eu, gosta de aprender dormindo. Roubei a imagem lá no blog da Tania - Elos e nós

Eu já tinha ouvido falar em Osmose, na época do colegial e das minhas aulinhas de biologia.



osmose é o nome dado ao movimento da água entre meios com concentrações diferentes de solutos, separados por uma membranasemipermeável. É um processo físico-químico importante na sobrevivência das células.

Só que como eu prestava atenção "meia boca" em tudo, por que sonhar acordada é muuuito mais legal, quando eu cheguei a faculdade, a minha definição de osmose era a seguinte: "Osmose é o nome dado á transferencia de sei lá o quê, quando dois corpos encostam."

Quando me dei conta, a prova de Ética estava chegando e eu nem tinha comprado o livro ainda. Me descabelei, corri as livrarias de Campinas em vão.
Meu namoradinho, que morava em São Paulo, saiu como doido procurando um exemplar por lá também.
Um dia antes da prova, chegou em casa, com um livro que tinha o mesmo nome, mas era de outros autores.
Não tive dúvidas: usando todos os meus conhecimentos biológicos, botei o livro embaixo do travesseiro e esperei que o conhecimento se "transferisse"para mim, durante meu encontro com Morfeu.

No dia seguinte, acordei e fui para a universidade. Fiz a prova e tirei 8.5 ( o máximo era 10).
Ah, se aquele namoradinho tivesse trazido o livro um ou dois dias antes... tenho certeza que a osmose teria sido mais completa.

E assim passei os quatro anos de faculdade. Me apoiando na maravilhosa biologia para tirar as minhas notas. Nunca peguei uma DP - ou abri um livro para estudar!

Se alguém contar isso para as minhas filhas adolescentes, eu desminto. Digo que vocês são uns mentirosos, inventadores da causo.


Friday, August 9, 2013

Peripécias políticas em tão tão distante

Esses aí foram os candidatos à eleição aqui na minha cidade ano passado. O diabo-verde foi o vencedor, se reelegendo. No fim do mês passado, ele foi cassado pelo TRE. Assumiu o azul. 
Cidade dividida: metade dos serezumanos comemorando alegres e a outra metade choramingando por ficar sem as tetas públicas pra mamar (isto pq ele contratou quase metade da cidade: favorezinhos políticos típicos... aliás, só pra informar, no gabinete dele, com 36m², constavam nada menos que 41 funcionários lotados, todos recebendo gratificação especial de assessoria de gabinete)
Caindo o balofinho, entrou o outro - que parece o Zorro, mas isso não vem ao caso - e começou a dar uma geral. 
Mas alegria de gente honesta dura pouco: hoje saiu uma decisão de sei lá que tribunal dando o direito de o gordão safado (gosto muito dele, percebem?) tomar posse de volta.
Fogos na prefeitura, e todo o pessoal do lado azul trabalhando pra reverter essa decisão. 
Resultado: sobrou pra mim tomar conta dos prazos da semana que vem. 
E lá se vai o meu restinho de tempo livre...



OBS: post com título porque a Miss Belum mandou.

Thursday, August 8, 2013

A primeira vez com o Luan Santana

Acho que pela primeira vez eu vou escrever um texto compatível com a ideia inicial do blog, que era fazer uma coisa diferente toda semana e contar aqui.

Semana passada eu resolvi escutar uma música do Luan Santana. Só que eu não gosto do Luan Santana.

Acho nojento aquele visual que ele usa e acho ainda pior os comerciais que ele faz pra vender os seus CD's.

Dai que eu não escuto as músicas dele. Simplesmente mudo de estação quando começam e por isso eu (graças à Deus) não sei as letras.

Dai que outro dia eu tive um ataque de burrice consciência e fiquei me sentindo uma pessoa preconceituosa por odiar tanto uma pessoa e suas músicas sem nem ao menos ter dado a oportunidade de ser conquistada por elas. Porque eu os odeio (o Luan Santana e as suas músicas) assim, de graça.

Dai que começou a tocar uma música dele no rádio enquanto eu estava indo para a minha sessão de terapia (vai ver foi por isso que eu comecei a tentar ver a vida de um outro ângulo e resolvi dar uma chance) e eu fiquei prestando atenção na letra. Confesso que no início (bem no início mesmo) eu até achei a ideia da música bacana.

Falava que a mocinha poderia ir para longe dele, ter outra vida, mas que ele iria esperar por ela. Mas é lógico que eu baixei a guarda rápido de mais. No decorrer da música a letra ia ficando pior e pior, as rimas eram forçadas no último grau e mal feitas.

Das poucas partes que eu ainda me lembro (porque traumatizou e eu não consegui apagar da memória) ele falava que ela poderia conhecer um tal de Fernando na fila do banco...

Só pode ser né... 
Meu, que porra de rima é essa??? Quando estava no (antigo) primeiro grau eu fazia muito melhor do que isso (pensando assim chega a me dar um descompensamento... porque se essa merda faz sucesso, eu poderia ter me tornado a Madonna brasileira).
E a coisa toda só fez piorar, até que a música atingiu seu auge, onde ele cantou com todo o fôlego, com toda emoção e com todo o amor, que brotou da sua voz "EU VOU ESTAAAAR TE ESPERANDO NEM QUE JÁ ESTEJA VELHINHA GAGÁÁÁÁÁÁÁ".

Olha a velhinha gagá aqui, Luan Santana!

Nessa hora eu tive um derrame cerebral e tive vontade de jogar o carro dentro do córrego pra ver se eu aprendia a nunca mias duvidar do meu ótimo gosto musical inato.

Porque quando você escuta a voz de alguém e essa voz te irrita, não tem porque você querer dar uma segunda chance pra aquilo. O seu "eu interior" te conhece melhor do que ninguém, por isso, quando ele gritar "MUDA DESSA MERDA DESSA MÚSICA", simplesmente obedeça.

Ainda bem que eu já estava indo pra terapia, porque se não, talvez hoje eu estivesse internada em algum hospício, assombrada pelo fantasma da tal velhinha...

E essa foi a minha primeira (E ÚNICA) vez com o Luan Santana... pra nunca mais, obrigado!